Equilíbrio

Os felinos adoram carne de macaco, mas os macacos ficam no alto das árvores e lá no alto eles estão seguros. Capturar um macaco em uma árvore é algo muito difícil até para um felino.

 

Os felinos se reúnem, escolhem uma árvore e começam a rugir bem alto ao mesmo tempo. Nesse momento os macacos ficam assustados e começam a saltar de galho em galho, durante esses saltos algumas mamães que estão com seus filhotes nas costas, acabam derrubando seus pequenos e os felinos comem os filhotes.

 

Na nossa vida isso também acontece. Às vezes estamos seguros, mas basta um rugido para nos desestabilizar. Esse rugido pode ser uma fofoca, uma mentira ou algo dito estrategicamente com a intenção de nos ferir. Depois disso, os pensamentos e as emoções ficam alteradas comprometendo nossas ações e decisões.

 

Precisamos usar nossa inteligência emocional, avaliar a situação, manter a calma, e pensar cuidadosamente como lidar com ela. Não tome decisões precipitadas, pense.

 

E lembre-se do que diz em 1 Pedro 5.8 “Sede sóbrios; vigiai; porque o diabo, vosso adversário, anda em derredor, bramando como leão, buscando a quem possa tragar.”

              

                Se leões estão próximos, fique muito atento o tempo todo. O segredo está em antecipar-se a eles e imaginar o que eles podem fazer. E quando eles rugirem, mantenha a calma e avalie cada possibilidade.  

 

Faz sentido para você? Escreva nos comentários: Quando ele rugir, estarei preparado(a).

 

Abraço no coração

 

Deus abençoe você grandemente!

 

Palestrante Robson Dutra

              

Poucas pessoas sabem, mas há alguns anos, o excesso de trabalho, a falta de rotinas para comer e dormir, o sedentarismo, a ideia equivocada de ser mais forte e pensar que comigo não aconteceria nada, me levou a maior batalha da minha vida. Eu estava muito doente, uma luta com algo que eu conhecia muito pouco, mas me tirava toda a paz e serenidade.

 

O medo de morrer fazia parte do meu dia a dia, sem explicação, sem avisos, apenas forte, implacável, destruidor, avassalador. Que sensação era essa que me consumia? O meu medo era de não conseguir respirar, a impressão que eu tinha era que meus pulmões estavam comprometidos, sem forças. Cada vez que eu subia uma escada e por mais leve que meu coração acelerava, a sensação de não conseguir respirar me dominava junto com o suor frio e o medo iminente da morte. Várias idas ao médico nas madrugadas, junto com a falta de ar, estava o medo de um infarto, eletros nas madrugadas e pneumologistas dizendo que meus pulmões estavam ótimos, essas informações não batiam com tudo que eu sentia. Mas aí a ficha caiu, eu estava lutando contra algo que eu desconhecia mas tinha um nome “Síndrome do Pânico”. Inimigo identificado.

 

A orientação da psicologa foi clara: Durma, coma corretamente, exercite-se, descanse, pare de querer agradar todo mundo e pare de achar bonito ser perfeccionista. Minhas lutas eram cansativas e acabavam comigo, o cérebro dizia que eu iria morrer e eu usava esse mesmo cérebro para dizer que eu não iria morrer. Batalhas que se estendiam por horas, dia após dia, eu me sentia exausto em uma briga injusta.

 

A psicologa mencionou: Vou te indicar um psiquiatra para que você possa tomar remédios. E naquele momento eu fiz uma escolha que parecia certa, mas exigiria muito mais de mim. Olhei para ela e disse: Não quero atacar a consequência, quero atacar as causas. Essa foi minha decisão. Voltei para casa, coloquei o joelho no chão, pedi perdão para Deus, por toda minha autossuficiência, por achar que eu era forte, independente, por achar que comigo nada aconteceria. Olhei para Deus e disse:

 

– Senhor me pegue em seu colo, não consigo controlar o meu cérebro, não consigo pensar coerentemente, choro escondido com medo de nunca mais retomar o controle da minha vida.

 

Senti a presença de Deus, mas entendi que começava ali uma grande batalha, Deus me ajudaria sim, mas eu teria que corrigir muitas coisas e Deus deixou claro. Isso é um laboratório em sua vida, vai levar um tempo, chegou a hora de ser o barro na mão do oleiro e ser apertado até virar um belo vaso. Aguente firme, Eu te guiarei.

 

Comprei todos os livros sobre o assunto que encontrei para entender os sintomas e como a Síndrome agia, o joelho foi dobrado constantemente, porque na hora das grandes lutas, homens que se acham fortes se curvam, eu escolhi me curvar diante de Deus do que ajoelhar diante dos problemas. Se era para ficar de joelhos, que fosse então diante do Senhor dos Senhores.

 

A atividade física, seria o primeiro passo, para equilibrar o sono, o descanso e deixar para trás o sedentarismo. Não lembro o dia da semana, peguei uma bicicleta que tinha em casa, enchi os pneus, fui até a catedral. Vi alguns ciclistas reunidos, de um grupo chamado Pedais da Liberdade, me aproximei e perguntei se podia acompanha-los durante aquele pedal que seria dentro da cidade. Naquele dia estavam ali o Marcos Campos o Naldo Ferreira, o Fernando que já faz um bom tempo que não vejo pedalando. Sai junto com eles e na primeira subida, na primeira subida maior, eles estavam um pouco a frente e eu estava ali atrás, em colapso, suando frio, com o coração acelerado, com toda falta de ar do mundo, quieto, subindo e orando e pedindo para Deus me dar forças.

 

Eles não sabiam, nem imaginavam o tamanho da luta que eu estava vivendo naquele momento. Um Davi sem ar contra um gigante desconhecido, mas um Davi rendido e entregue a um Deus que pode todas as coisas. Naquele dia eu venci, graças a Deus, aquela subida e nesses quase seis anos pedalando, esse mesmo Deus tem me guiado e me tirado dos vales e me colocado nos montes mais altos. Deus me curou, fez de mim um observador, cuidadoso que precisa se manter equilibrado.

 

Obrigado Deus, obrigado esposa amada que nos momentos mais delicados sempre esteve ao meu lado. Obrigado a todos que já pedalaram e pedalam comigo e nem sabiam o que estava acontecendo, e durou muito tempo as maiores batalhas, quase um ano. Mas estavam ali, do lado e isso já era muito.

 

Não tenho perfil de ciclista, não tenho estrutura de ciclista, mas tenho um Deus que ignora a aerodinâmica da abelha e faz ela voar muito.

 

Quando passar por mim em uma subida e acredite você passará, eu estarei sofrendo, sempre foi difícil, mas Deus colocou em mim essa coisa maluca que ele coloca em ciclistas, a vontade de superar-se, aguentar as adversidades e romper limites.

 

Não sei se posso dizer que sou um ciclista, mas com a bicicleta, Deus tem me proporcionado grandes experiências.

 

Deus é maravilhoso! Obrigado Senhor, Obrigado!

De cada 10 pessoas que começarem a ler esse texto, somente 1 terminará.
 
Qual o tamanho da sua pressa?
 
Por que algumas pessoas correm tanto? Por que muitas delas estão sempre com pressa? Correm quando estão indo para o trabalho, para ir almoçar, algumas comem rápido, mal mastigam, engolem apressadamente. Depois continuam correndo para voltar ao trabalho. No trabalho desejam que o tempo passe logo, cometem erros por pressa, (isso é muito comum) e depois correm de novo para voltar para casa.
 
Um dia peguei carona com um amigo depois do trabalho e ele saiu acelerando seu carro, logo no primeiro semáforo ele ficou bravo porque o carro que estava na nossa frente poderia ter ido, segundo avaliação dele, mas não foi e isso foi motivo para que ele ficasse muito irritado.
 
Perguntei se ele tinha algum compromisso importante e sua resposta chamou a minha atenção. Ele disse que não. Em seguida perguntei por que tanta pressa se ele não tinha nada para fazer. Ele pensou, pensou e depois me respondeu:
– Acostumei ir rápido para casa, não tenho motivo para isso, mas quero chegar logo.
 
O rápido nesse caso, talvez adiante três ou quatro minutos em um trajeto de 5 kms, mas essa pressa deixa ele mais estressado, impaciente, com muito mais chances de se envolver em um acidente, bater o carro, atropelar alguém, e mais um detalhe, ele não percebe quase nada durante o trajeto, como o foco é chegar logo, todos os detalhes durante, passam despercebidos.
 
Você já parou para pensar quantas pessoas já morreram porque outras estavam com pressa? Quantas vezes questionamos. Por quê? Por que um pai de família indo para praia de férias com toda família dentro do carro faz uma ultrapassagem indevida e arriscada? Quantos minutos ele quer ganhar? Quanto vale tudo que ele tem dentro do carro?
 
Será que você está correndo sem motivo? Será que está sempre com pressa, sem motivo? Será que está vivendo momentos incompletos porque fica sempre pensando no próximo momento? E fica repetindo isso, vivendo mais ou menos porque o foco está sempre no próximo compromisso. ANSIEDADE exagerada.
 
 
Quer correr? Pegue seu tênis, suas meias, uma roupa confortável, escolha um lugar apropriado e corra, corra, corra o máximo que puder e depois de alguns segundos seu corpo, seu coração, seus pulmões e seu cérebro dirão: Está rápido demais! Vamos ajustar o seu ritmo para que você consiga continuar correndo. Seu corpo irá conversar com você e sim, você vai ouvi-lo. Ai no seu ritmo você vai correr, curtir, admirar, respirar, a cada passo deixará para trás o estresse acumulado e em alguns minutos seu corpo começara a liberar endorfina e acredite ele adora isso. Esse é o jeito certo de correr.
 
Mas em alguns momentos devemos ter pressa? Claro que sim, isso é absolutamente normal, quando feito com atenção e equilíbrio. Um pai corre para ajudar um filho. Um médico tem pressa para salvar um paciente. Uma ambulância corre para evitar uma morte. Nesse caso a pressa é necessária. Mas essas são exceções. Não estou falando aqui para você ser lerdo. Estou falando de equilíbrio.
 
Tudo em excesso na nossa vida faz mal. Tudo. Até o remédio que cura em quantidade muito elevada, mata.
 
Sempre repito em minhas palestras a felicidade não pode estar somente no destino, ela precisa fazer parte do trajeto. Curta cada dia, sim ele é único, viva hoje, tome seu café da manhã hoje, converse hoje, trabalhe hoje, sorria hoje, almoce com calma hoje, namore hoje, descanse hoje, tire férias hoje mesmo que seja de cinco minutos, estude hoje, treine hoje, seja grato hoje, perdoe hoje.
 
Quando eu pedalo, passo pelos mesmos lugares, quanto mais pressa menos eu observo, quanto menos pressa, mais detalhes. A beleza de Deus está em todos os lugares, mas ela é magnifica nos detalhes.
 
Se tudo isso fizer sentido, guarde e aplique. E caso queira um checklist para treinar ai vai ele.
 
 
Quando olhou para lua com calma e recebeu calma?
Quando viu o sol no entardecer, se despedindo, indo, brilhando e ofuscando seus olhos mesmo de saída?
Quando foi a última vez que olhou para uma borboleta 88? Talvez nunca tenha visto uma.
Quando abraçou o seu filho e disse que o amava?
Quando conversou com seus pais que ainda estão vivos?
Quando foi visitar os avos que ainda estão vivos?
Quando você marido beijou sua esposa e conversou até de madrugada?
Quando você esposa beijou seu marido e conversou até de madrugada?
Quando telefonou para um bom amigo no dia do aniversário dele e falou o quanto ele é especial?
Quando almoçou com um amigo, sem pensar só na comida, sem brigar com o garçom, apenas escutou, escutou e escutou?
Quando sentiu o ar encher seus pulmões?
Quando deixou seu celular de lado e olhou nos olhos da pessoa que está na sua frente?
 
Quando você cristão que acredita em Deus, orou agradecendo por mais um dia, mais um momento, mais uma benção?
 
Viva intensamente, comece agora…
 
Palestrante Robson Dutra
 
Para receber conteúdos exclusivos sobre equilíbrio, que não são publicados nas minhas redes sociais, clique no link abaixo e deixe seu e-mail.
 
ROBSON DUTRA – Equilibrando Vidas
Loading...